Algarve Sharks responde comunicado do Porto Mutts sobre a semifinal da LPFA

Imagem Sharks/Reprodução

Logo após o comunicado emitido pelo Porto Mutts, o Algarve Sharks apresentou sua versão dos fatos a respeito da partida válida pela semifinal da Liga Portuguesa de Futebol Americano (LPFA). O confronto está agendado para este sábado (9), em local a ser definido pelos mandantes.

Confira o chaveamento dos playoffs da Liga Portuguesa

Leia a versão dos Sharks

“Em função da comunicação dos Porto Mutts, compete à Direcção dos Algarve Sharks esclarecer o seguinte:

1 – A cronologia de eventos apresentada pelos Porto Mutts é absolutamente correcta, no entanto é pertinente adicionar os seguintes esclarecimentos, de modo a que se explique correctamente tudo o que aconteceu.

– 7 de Outubro de 2015 e 12 de Março de 2016:

Em relação à argumentação da data para a realização do jogo ser inequivocamente o dia 10 de Abril, é do conhecimento geral que em 7 edições desta liga, a indicação nos calendários do dia de jogo se refere ao fim de semana indicado e não ao dia especifico (Sábado e Domingo).

– 18 de Março de 2016 e 29 de Março de 2016:

Os Algarve Sharks não se manifestaram nestas datas sobre a sua efectiva disponibilidade para dia 10 de Abril, porque, não tinham a certeza da sua passagem ao jogo da meia-final, e não queriam ser acusados de ser presunçosos por estarem levantar já questões ou impedimentos sobre o jogo sem terem a sua passagem à meia-final garantida; Que fique claro que, nesta data os Algarve Sharks não deram OK da sua parte à realização do jogo a dia 10, apenas disseram OK face à informação dos Porto Mutts sobre a sua impossibilidade de jogar no fim de semana de 16 e 17.

– 3 de Abril de 2016:

Os Algarve Sharks, após garantirem apuramento para a meia-final, comunicam as extremas dificuldades que teriam em participar no jogo no fim de semana seguinte, informando que teriam o máximo de 12 jogadores para jogar no SÁBADO, e apenas 9 jogadores para jogar no Domingo, entre impedimentos pessoais, profissionais e lesões.

– 4 de Abril de 2016 (a 6 dias do jogo):

Neste dia, os Algarve Sharks informam em simultâneo a APFA e os Porto Mutts, de não conseguirem realizar o jogo no Domingo, por não terem jogadores suficientes sequer para formar uma equipa e os Porto Mutts, continuam a manter-se intransigentes sobre a possibilidade de adiar o jogo para o fim de semana seguinte. A APFA informa as duas equipas em simultâneo de que se terá de cumprir o jogo neste fim de semana, dando procedimento às pretensões dos Porto Mutts de acordo com os regulamentos alegados por estes. A única alternativa seria haver acordo e disponibilidade de ambas as equipas para jogar a dia 23.
Reforçamos que a esta altura não houve qualquer impedimento para os Porto Mutts em receberem uma equipa com 9 ou 12 jogadores.

– 5 de Abril de 2016 (a 5 dias do jogo):

Após consultados os nossos jogadores e vendo da indisponibilidade de ambas as equipas para jogarem no fim de semana de 23 e 24 de Abril, os Algarve Sharks face à distância temporal em relação ao jogo informam a APFA que accionaram com urgência todos os mecanismos possíveis (transporte e alojamento) para irem jogar ao Porto no fim de semana de 9 e 10, ainda que em situação pouco favorável. Em função da indisponibilidade de jogadores suficientes para sequer disputar o jogo a dia 10, os Algarve Sharks solicitam a aplicação do Artigo 20º do Regulamento de Competição, de modo a disputar o jogo a dia 9, em que teríamos pelo menos 12 jogadores disponíveis.

Rapidamente conseguimos assegurar, por especial favor, transporte para realizar a viagem nesse fim de semana, mediante o pagamento de uma pré-reserva sem direito a reembolso. E teríamos de confirmar até ao final da noite, também por especial favor, o alojamento para alguns dos elementos da equipa.

Os Algarve Sharks não gostam de considerar jogadores superiores a outros, mas já que os Porto Mutts fazem questão de salientar a situação do seu QB, podemos também dar o exemplo do nosso QB, que adiou, antes das 13h00, uma viagem aos EUA para tratar de problemas familiares, de modo a garantir a sua presença no jogo neste fim de semana, o que acarretou uma grande perda monetária para ele. Tal facto, passou a impossibilitar a sua presença num jogo a realizar no fim de semana de 16 e 17. No entanto, que fique claro que quando acedemos a jogar no dia 9, este não era um dos 12 jogadores disponíveis, e aceitámos na mesma resignados a realização do jogo nessa data.

Até às 19h00 deste dia, nunca foi do nosso conhecimento, a possibilidade de os Porto Mutts poderem jogar no fim de semana de 16 e 17, aliás, até lá sempre foi claro que não podiam jogar nesse fim de semana, e quando já tínhamos tudo tratado para dia 9 é que somos informados dessa possibilidade.

De recordar que durante todo este processo, não tínhamos conhecimento da indisponibilidade quer de campo ou jogadores por parte dos Porto Mutts, para realizar o jogo no dia 9 de Abril. Às 19h30 informamos os Porto Mutts, de que temos uma solução de transporte disponível, que nos permitirá maior flexibilidade, e daríamos o nosso ok final durante o treino dessa noite, em que estaríamos reunidos com os nossos jogadores, de modo a averiguarmos se devido a essa maior flexibilidade as nossas disponibilidades aumentariam.

Às 22h00 conforme confirmado pelos Porto Mutts damos a nossa confirmação final de que com as devidas dificuldades realizaríamos a viagem para jogar no dia 9. Mais uma vez reforçamos, que não fomos informados da indisponibilidade quer de campo ou jogadores por parte dos Porto Mutts, para realizar o jogo no dia 9 de Abril.

– 6 de Abril de 2016, quarta-feira:

10h00:

Somos informados pelos Porto Mutts que até à noite do dia anterior à noite tinham disponibilidade de campo no dia 9, mas que agora já não têm. Como na altura já tínhamos efectuado o pagamento do transporte, bem como do alojamento, oferece-mo-nos para pagar o aluguer de um campo onde se possa jogar o jogo no dia 9.

Em suma, os Algarve Sharks nunca informaram que não estariam disponíveis para qualquer outra data, apenas o fizeram depois de já terem tudo tratado e com pagamentos efectuados a envolverem os milhares de euros.

Desde todo o inicio deste processo os Algarve Sharks sempre mostraram a maior flexibilidade possível para chegar a bom porto com uma solução que servisse a todos. Prova disso é o facto de termos acedido a jogar no dia 9, mesmo sabendo que à partida apenas teríamos 12 jogadores.

Na eliminatória anterior, tivemos uma situação semelhante com os Lisboa Naviagtors e fizemos os possíveis para acomodar uma solução que fosse boa em termos de datas para a equipa visitante e que não implicasse terem de se deslocar ao Algarve com insuficiência de jogadores.

No ano passado os Algarve Sharks deslocaram-se a Vila Nova de Gaia, para jogar com os Porto Mutts com apenas 15 jogadores, na altura, aquando da negociação da data do jogo alegámos também o Artigo 20º do Regulamento de Competição, mas como vimos que não haveria diferença no número de jogadores disponível para Sábado ou Domingo, acedemos a jogar no Domingo, de modo a evitar custos adicionais para a equipa dos Porto Mutts.

Já esta época, numa situação semelhante, num jogo entre Porto Mutts e Lisboa Devils, os Lisboa Devils alegaram o mesmo artigo, de modo a que o seu jogo fosse realizado ao Sábado, logo os Porto Mutts não podem alegar desconhecimento do mesmo. Com base nessa situação, assumimos que os Porto Mutts tivessem presente o mesmo artigo e que estivessem também a ponderar a hipótese do jogo poder ser realizado ao Sábado. Assumimos que seja falha nossa, não termos relembrado os Porto Mutts dessa situação.

2 – Em relação às observações finais do comunicado dos Porto Mutts, cumpre-nos informar que estamos solidários com a grande maioria, sem deixar de fazer algumas ressalvas:

“Embora a postura desportiva de maior parte dos atletas de todas as equipas, seja de profissionais, as suas vidas pessoais têm de ser geridas entre compromissos pessoais, profissionais e outros. Não se pode exigir aos atletas uma disponibilidade permanente, como a um atleta profissional, onde a sua disponibilidade para a equipa, seria total.

Compete por isso a uma organização de Liga, manter o máximo de estabilidade de compromissos desportivos, e outros, com o máximo de antecedência. Só assim se conseguirá que os atletas consigam fazer os necessários ajustes às suas vidas, por forma a termos o máximo de fair-play participativo nos jogos.

Com as muito pequenas excepções dos atletas contratados por algumas equipas, nas quais não nos incluímos, todos os atletas até pagam para jogarem. São os únicos intervenientes desportivos que PAGAM para jogar. Os árbitros recebem, os atletas pagam. Mais uma vez, é normal que sendo considerados amadores, obrigaria a um maior respeito e maior estabilidade de compromissos.”

– Concordamos em absoluto com estes argumentos, aliás o facto de se ter criado toda uma instabilidade em torno de qual seria a equipa que teríamos de defrontar na eliminatória anterior, com as consequentes alterações de última hora, foi o factor principal que levou à baixa disponibilidade de atletas para este jogo. No entanto é bom que se diga, que não existe em Portugal nenhuma equipa que seja exclusivamente composta por jogadores contratados, que terão à partida uma maior disponibilidade, como tal não são 3 ou 4 atletas nessas condições, que indicam a disponibilidade geral de uma equipa.

3 – Finalmente informamos que não é do nosso agrado que a meia-final se processe desta forma, nem que eventualmente os Algarve Sharks passem à final deste modo. O nosso desejo era enfrentar os Porto Mutts dentro de campo, numa situação desportivamente aceitável para ambas as partes. Desse modo os Algarve Sharks vão-se deslocar no Sábado ao norte do país, na esperança de que se possa realizar o encontro entre as duas equipas.

A Direcção dos Algarve Sharks”