Altieri conta os planos do Porto Alegre Gorillas para as temporadas 2016/2017

Altieri está a frente dos Gorillas há pouco mais de um ano. Foto Perfil/Facebook

Com planos de entrar na modalidade tackle/full pads, o Porto Alegre Gorilas fechou uma parceria com a Unirede para a aquisição de 45 sholder pads para a temporada 2017. Além da compra dos equipamentos de proteção, para o ano que vem, a empresa financiará projetos da equipe de acordo com a sua produtividade.

— Será feito um acordo por ambos lados. Se o Gorillas não estiver dando um retorno pra Unirede entenderemos que não vamos merecer tanto — explicou presidente dos Gorillas, Henrique Altieri.

Para facilitar a logística e o baixo custo, os shoulder pads serão comprados da empresa mineira Bruiser.

Sobre os helmets, a direção colocou em prática um plano para arrecadar fundos que financiem a aquisição de 20 unidades.

— Temos já em andamento rifas nas mãos dos jogadores e categoria de base. O valor é R$ 5 e quem comprar concorre a uma jersey, uma camiseta de passeio e uma bola de futebol americano. O sorteio será no dia 27 de julho. A rifa tem o nome de “Ajude o Gorillas a se equipar”. Iremos fazer ações pela cidade. Temos 3 mil números, 1200 já estão nas ruas, e destes, 800 foram vendidos em apenas uma semana — comentou.

Qualificar o roster

Em preparação para qualificar tecnicamente a equipe para a transição, o elenco roxo disputará uma competição local com mais quatro times da Região Metropolitana de Porto Alegre: Canoas Jaguars, Porto Alegre Crows e Porto Alegre Warriors.

Novo quarterback

Porém, o roster perdeu um dos seus principais jogadores para o Restinga Redskulls. O quarterback Guilherme Sperotto trocou o roxo pelo rubro-negro. Com isso, assume a posição o jovem João Vidal, de apenas 17 anos.

— Essa posição ainda está em aberto, pois sempre visamos ter um excelente QB. Principalmente em postura e cabeça. Optamos pelo jovem João Vidal. Apostamos nele, até que os resultados nos digam o contrário disto — disse Altieri.

Futuras competições

Perguntado sobre a participação em campeonatos de nível estadual e regional a partir de da transição completa para o full pads, e tendo em vista o alto custo para jogar, o Futebol Americano Brasil procurou saber se o time tem condições de entrar e competir.

— A gente criou um plano no ano passado e veio trazendo isso. Colocamos em prática no momento certo. Em questão de caixa ainda não temos o ideal. Porém, estamos negociando com um segundo patrocinador e desejamos apresentá-lo em breve. Assim poderíamos não ter os custos com helmets. Mas não é algo que nos assuste. Pois, o caixa de nossa equipe andará de acordo com nossas necessidades. E não é por ônibus ou jogos que ficaremos sem grana. Desejamos participar de uma grande competição no próximo ano. Mas é o que apresentaremos em campo que me preocupa mais — disse.

Se o nível técnico ainda não é o ideal, os Gorillas querem evitar o caso da participação Venâncio Aires Bulldogs no principal certame do Rio Grande do Sul, que em três partidas na sua recente história, levou no mínimo 31 pontos.

— Sinceramente, o nosso nível é bom e nosso forte é a defesa. Mas queremos entrar em campo para apresentar um nível técnico de acordo com equipes mais antigas. O que não quero é entrar em campo para ser agredido com pontuações superiores a 30 pontos — argumentou.

Para desenvolver as habilidades dos atletas, a direção planeja a entrada de um treinador com experiência nos Estados Unidos.

— Os Gorillas também estão contratando um coach com experiência americana para aumentarmos nosso desempenho. Ele será nosso consultor — finalizou.

O nome do técnico ainda não foi anunciado.