Recife Mariners vence Recife Pirates e mantém tabu no clássico dos mares

Após vitória, Mariners reeditam a final da Superliga Nordeste contra os Espectros. Tiago Giordani/Mariners

O clássico dos mares acabou do mesmo modo que todos os outros. O Recife Mariners manteve a escrita e venceu o Recife Pirates por 27 a 6, no Estádio dos Aflitos, na capital pernambucana. Com a vitória, os azuis se classificaram para a final da Superliga Nordeste e reeditarão o duelo contra o João Pessoa Espectros. Mais uma vez, a decisão será na Arena Pernambuco e os donos da casa terão a oportunidade de dar o troco pela derrota sofrida na final do ano anterior.

Veja o calendário de jogos da Superliga Nacional

A partida começou com os Mariners recebendo a bola e os donos da casa não permitiram que os visitantes se sentissem à vontade. Na primeira jogada, o quarterback americano Drew Banks lançou Ricardo Teixeira, que abriu o placar em um passe de 60yds. Com o ponto extra convertido, os azuis abriram 7 a 0, mas tiveram problemas em segurar o ímpeto dos adversários.

Na campanha seguinte, os piratas foram capitaneados pelo quarterback americano Dominique White, que em um passe conectou o receiver Jonathas Fonseca para marcar o touchdown dos visitantes. Na conversão do ponto extra, os Mariners desviaram a bola e não permitiaram o empate.

Com posse de bola, os donos da casa não conseguiram entrar na endzone e se contentaram com um field goal anotado pelo kicker Rafael Bandeira. Com 10 a 6 no placar, os piratas começaram a se arriscar mais e Dominique White começou a soltar mais o braço. Tentando passes longos, o quarterback se arriscava e os defensive backs do Mariners se aproveitaram disso durante a partida. Johannes Harten (duas vezes) e o americano T. L. Edwards interceptaram o jogador dos Pirates.

A vida do quarterback dos Pirates não estava complicada apenas pelo trabalho dos defensives backs. A pressão no pocket era imensa e o linebacker Tulio Albuquerque era o principal atleta a causar problemas ao ataque dos Pirates.

No ataque, os donos da casa continuaram pontuando e na terceira campanha dos Mariners, Banks encontrou Ricardo Teixeira mais uma vez para ampliar a vantagem para 17 a 6 antes de ir para o intervalo.

Na etapa complementar, a defesa dos Mariners continuou pressionando os Pirates e não permitiu mais pontos pelo resto da partida. Contudo, também não pontuou como o esperado. Eduardo Caldas marcou o único touchdown do segundo tempo e Bandeira fez outro field goal para finalizar o placar em 27 a 6. A vitória foi uma questão de tempo e os Mariners utilizaram o último quarto para por os reservas em campo.

Agora, os Mariners se preparam para o terceiro capítulo do duelo com o João Pessoa Espectros nesta temporada. Apesar de ter vencido três dos últimos quatro confrontos com os paraibanos, os pernambucanos foram derrotados na final por 38 a 12 no ano passado na Arena Pernambuco.