Tribunal suíço nega recurso de Wiking; MacLean é legitimado como presidente definitivo da IFAF

MacLean celebra decisão do tribunal suíço para assumir definitivamente a IFAF. Foto Perfil/Linkedin

Os membros e aliados da facção IFAF New York que apoiaram o ex-presidente finlandês Roope Noronen e o atual líder, o canadense Richard MacLean, parecem estar aliviados com a última decisão do Tribunal Federal Suíço, que negou o recurso do ex-presidente da International Federation of American Football (IFAF), o sueco Tommy Wiking, contra a determinação do Tribunal Arbitral du Sport (TAS), nesta quinta-feira (19).

Relembre como iniciou o racha na IFAF

Após três anos e meio do racha político para tomar a liderança da IFAF, a indicação do judiciário suíço dá a sensação que a guerra promovida pelas facções chegou ao fim. A comunidade do futebol americano pelo mundo pode agora pensar em como retomar a unidade e desenvolver o esporte por todos os cantos do planeta.

Este conflito iniciou após o cancelamento da IFAF World Championship de 2015, que tinha como sede Estocolmo, na Suécia. Porém, com acusações de fraude financeira contra Wiking no país nórdico, fez com que o Mundial fosse realocado para os Estados Unidos.

Com o término da edição da Copa do Mundo, Noronen foi eleito como presidente da IFAF, mas os aliados de Wiking clamaram o sueco como o dirigente da entidade em uma outra reunião.

Com o racha declarado, os aliados de cada uma das facções não poderiam jogar uns contra os outros. Os mais prejudicados foram os europeus, que disputavam competições continentais entre si. O cenário levou até uma não participação da USA Football como representante dos Estados Unidos nos Jogos Mundiais em Wrocław, na Polônia, realizado em julho de 2017. Uma empresa de futebol americano foi o esquadrão americano no evento.

No começo de 2018, o TAS definiu que MacLean era o presidente legítimo da IFAF. Agora, com a recusa do recurso de Wiking pelo tribunal suíço, chegamos ao fim desta guerra de poder.

Confira a carta aberta de MacLean sobre a decisão dos suíços

Comentários? Feedback? Siga-nos no Twitter em @fabrnoticias e curta-nos no Facebook.

Leave a Comment